WhatsApp Image 2021-02-07 at 22.10.51.jp
Bianca Alves, soprano

Ingressou no Conservatório de Música do Porto, na classe do professor Emanuel Henriques, onde completou o Ensino Secundário Artístico (8.º grau) em Música - Canto Lírico. É licenciada em Música Antiga, variante Canto Barroco, pelo Curso de Música Antiga da Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (ESMAE), do Instituto Politécnico do Porto, na classe da professora Magna Ferreira. Frequenta atualmente o 1.º Ano de Mestrado em Música - Interpretação Artística, variante Música Antiga (Canto Barroco), nessa mesma instituição.

Ao longo dos anos participou em diversas masterclasses, nomeadamente com Isabel Alcobia, Professora Doutora Jenevora Williams, Rui Taveira, Nacho Rodriguez, Paul Esswood, Jean-Denis Monory (Gestualidade Barroca) e Pierre Mak.
Participou também na 2.ª Academia Júnior de Música Barroca, organizada pelo Curso de Música Antiga da ESMAE (tendo, posteriormente, colaborado nas 3.ª, 4.ª, 5.ª e 6.ª edições); nos 14.º, 15.º e 16.º Curso Internacional de Música Antiga ESMAE/ESML; na I Jornadas de Baixo Contínuo do Curso de Música Antiga da ESMAE; no seminário A Ária da Capo em Bach: Uma Abordagem Retórica, com a professora Olga Fernandéz Roldán; na VIII edição do Curso Internacional de Música Antiga (CIMA) em Idanha-a-Nova, onde teve a oportunidade de trabalhar com Paul Esswood, Vinícius Perez e João Paulo Janeiro; na I Jornada de Gestualidade Barroca, pelo Curso de Música Antiga da ESMAE, orientada por Jean-Denis Monory; na Mostra Internacional de Teatro de Ovar 2019, e em várias edições do Festival de Música Antiga da ESMAE, tanto como solista, como elemento de grupos de música de câmara.
Enquanto estudante teve a possibilidade de trabalhar com diversos maestros, músicos e orquestras, tais como José Ferreira Lobo, Paulo Martins, Paulo Carvalho, João Pedro Fernandes, Fernando Marinho, Palmira Troufa, Ana Mafalda Castro, Pedro Sousa e Silva, Hugo Sanches, Catarina Costa e Silva, Fernando Santiago, Júlio Dias, Xurxo Varela, Pedro Castro, Ronaldo Lopes, Benjamin Chénier, Orquestra do Norte, Orquestra Barroca da ESMAE, Ensemble Seiscentista da ESMAE (Sesquialtera), tendo já participado em concertos e recitais em Portugal e em Espanha.
Ao longo dos anos teve também a oportunidade de integrar diversas produções operáticas e concertos a solo, dos quais se destacam: Hänsel und Gretel (excertos), Engelbert Humperdinck, na personagem «Hänsel»; Il Ballo Delle Ingrate (excertos), Claudio Monteverdi, na personagem «Amore»; Rodrigo (excertos), Georg Friedrich Händel, na personagem «Esilena»; Le Nuove Musiche: Lagrime mie, a che vi trattenete?, Barbara Strozzi e Élisabeth Jacquet de La Guerre; L’Europe Galante (excertos), André Campra, na personagem «Zaïde»; Concerto com Fábula: O Passeio da Raposa (Fables sur de petits airs et sur des vaudeville choisis avec la Basse), Michel Delalande; Dido and Aeneas, Henry Purcell, na personagem «Belinda».
Da participação em concertos corais destacam-se: Missa Tornacumde, André Waignein; Sinfonia N.º 9 em Ré menor, Op.125, Ludwig van Beethoven; Missa em Dó Maior, K. 317 (da Coroação), Wolfgang Amadeus Mozart; Zadok the Priest, HWV 258, Georg Friedrich Händel; Misa Criolla, Ariel Ramírez; Missa Dicebat Jesus, Duarte Lobo; Miserere em Dó Menor, ZWV 57, Jan Dismas Zelenka; Missa Decantabat Populus, Giovanni Croce; Cantata Aus der Tiefen rufe ich, Herr, zu dir, BWV 131, Johann Sebastian Bach; A Guerra e Outras Histórias: La Guerre, Clément Janequin; Oíd, Oíd Los Viventes - Da queda à redenção no Renascimento Ibérico: La Justa, Mateo Flecha.

69415567_110345503669198_948297004788744
Luís Melo, flauta de bisel

Luís Alexandre Santos Melo iniciou os seus estudos de música na Academia de Música de Vilar do Paraíso, primeiro em teoria e, posteriormente, em flauta de bisel.
O seu percurso como flautista começou aos 8 anos com as professoras Vani Campos e Sara Cardoso e com o professor João Nuno Rocha. Estudou também no Conservatório de Música do Porto, onde concluiu o 8.º grau, na classe do professor José Luís Carrapa.
Atualmente encontra-se no seu 2.º ano de Licenciatura em Música Antiga, na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo, com tutela do professor Pedro Sousa Silva.
Já frequentou e participou em várias masterclasses e teve aulas de flauta de bisel e de música de câmara com Jaques Ogg, Enrico Gatti, Maria Cristina Kiehr, António Carrilho, Marcos Magalhães, Bart Coen, entre outros, tendo frequentado também os Encontros Internacionais de Música da Casa de Mateus, a Academia Júnior de Música Barroca organizada pela ESMAE e um curso pelo Conservatório de Aveiro. Participou também em vários Concursos Internos de Música de Câmara e Sopros do Conservatório de Música do Porto e no II Encontro de Flautas da cidade do Porto.
Apresentou-se em concertos com a Orquestra Sinfónica do Conservatório do Porto, assim como na Casa da Música para a celebração do centenário da instituição e na Igreja da Misericórdia. Integra a Orquestra Barroca da Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo, tendo já efetuado vários concertos, tanto dentro da escola como no exterior, como na Casa Allen (Porto).

IMG_20210126_192155_783.jpg
Ezekiel Martins, alaúde, guitarra barroca e teorba 

Ezekiel Ferreira Martins nasceu em 1989, natural dos Estados Unidos da América, mudou-se com 4 anos para Portugal, onde tem vindo a desenvolver o seu percurso musical.
Aos 11 anos começou a estudar guitarra clássica na Academia de Música do Orfeão de Ovar, com o professor Sérgio Almeida. Desde cedo participou em vários Encontros de Guitarra Clássica, em Portugal. Em 2003 foi convidado a tocar em Pithiviers, França, no âmbito da celebração da Geminação das cidades de Ovar e Pithiviers.
O seu percurso académico inclui uma passagem pela Universidade de Aveiro, local onde teve aulas com os professores de Guitarra Clássica Paulo Vaz de Carvalho e Pedro Rodrigues. É licenciado em Antropologia pela Universidade de Coimbra.
Encontra-se no 3.º ano de Licenciatura em Música Antiga, na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (ESMAE), no Porto, a ter formação em alaúde com os professores Hugo Sanches e Ronaldo Lopes. Na ESMAE participou em vários projetos de Orquestra Barroca, Sesquialtera e teve formação com Rafael Muñoz.
Frequentou o XII Curso de Animadores Musicais da Casa da Música e atuou diversas vezes na mesma. Foi membro de projetos musicais na área do rock e metal em bandas como Damnull, Five Gallon Bottle e Bokage, a tocar guitarra elétrica.
Atualmente faz parte de projetos ligados à música antiga, como Capella Invicta, Les Oiseaux de la Reine, La Voix de l'Âme e um duo de alaúdes com Pedro Martins. Na área da música experimental faz parte do trio Martins3.

IMG_20210123_214306_173.jpg
Pedro Martins, alaúde, guitarra barroca e teorba

Nascido no ano de 1979, iniciou os seus estudos musicais no Orfeão de Ovar e na Academia de Artes Maria Amélia Dias Simões, com a professora Edwiges Pacheco. Mais tarde, estudou guitarra clássica nos Conservatórios de Aveiro e Porto, com os professores Miguel Lélis e Mário Carreira.

Em 2018 concluiu a Licenciatura em Música Antiga na ESMAE, na classe de alaúde dos professores Hugo Sanches e Ronaldo Lopes. Estudou em masterclasses com Eduardo Eguez, Vinícius Perez e Rafael Munõz.

Participou em diversos cursos de Música Antiga, nomeadamente: Curso Internacional de Música Antiga organizado pela ESMAE, Cursos Internacionais de Música Antiga organizado pela MAAC e nos Encontros Internacionais de Música da Casa de Mateus.

Atualmente frequenta o Mestrado de Ensino de Música - Variante Instrumento (alaúde).

Tem sido docente em diversos níveis e estilos musicais, destacando-se a experiência como formador no 2.º e 3.º Ciclo de Música Antiga do Conservatório de Música da JOBRA. Desde 2020 é professor de alaúde da Escola de Música da Paróquia de Bonfim.

Como responsável de direção musical, ensaia, faz arranjos e compõe para a Trupe de Reis Associação Desportiva Ovarense desde 2010.

Tem sido instrumentista convidado junto de diversos agrupamentos e projetos, de entre os quais se destacam o Coro de Câmara de São João da Madeira, o Coro Misto da Beira Interior, Gaudium Vocis, Il Dolcimelo, Iberian Ensemble, Ventos do Atlântico, o Festival da ESMAE, a Rota das Catedrais, o Ciclo de Música Sons Antigos a Sul e o Festival In Spiritum. Tem também tocado em várias recriações históricas (Santa Maria da Feira, Arouca, Figueira de Castelo Rodrigo e Almeida). Colabora com a Orquestra de Bandolins de Esmoriz (desde 2005), Orquestra Portuguesa de Guitarras e Bandolins (desde 2014) e os grupos Sesquialtera e Orquestra Barroca do Curso de Música Antiga da ESMAE (desde 2014).

Em 2017 fundou, juntamente com António Vieira, Liuto Cantabile, agrupamento de câmara dedicado ao repertório histórico para bandolim. Fundou em 2018 o grupo Spirito dell’Anima dedicado à interpretação de música vocal e instrumental do século XVII.

Desde 2018 tem colaborado com a Orquestra Barroca da Casa de Mateus (direção de Ricardo Bernardes), o grupo Mvsica Antiqua do Porto (direção de Rui Soares) e a Sinfonietta de Braga (direção de Paulo Morais).

Foi um dos membros fundadores do grupo Lvsitanea, em 2019, dedicado à interpretação de repertório dos séculos XVIII, XIX e XX, em particular a música de câmara portuguesa e brasileira, bem como música popular, tendo criado um programa sobre o centenário da Monarquia do Norte para o Município de Ovar.

Faz parte dos grupos Cuore Armonico e La Voix de l’Âme desde 2019. Desde 2020 tem colaborado com a orquestra La Nave Va (direção de António Carrilho).

SONCELLO_TeatroColon2018_26.jpg
Leonor Sá, violoncelo barroco

Iniciou os seus estudos musicais na Fundação Conservatório Regional de Gaia aos 9 anos de idade, na classe de violoncelo do professor Valter Mateus. Participou nas duas edições da “Maratona de Violoncelistas” da Casa da Música (Porto) e nas duas edições do “Concurso Interno” organizado pela Fundação Conservatório Regional de Gaia. Foi chefe de naipe da orquestra da FCRG, sob direção do professor Mário Mateus, e participa frequentemente com a Orquestra Filarmonia de Gaia, tendo já realizado vários concertos com obras como Stabat Mater (G.B. Pergolesi), Glória (Antonio Vivaldi), As Bodas de Fígaro e A Flauta Mágica (W.A. Mozart), Requiem À memória de Camões (J.D. Bomtempo), entre outros. Já trabalhou com vários maestros, como Ertug Korkmaz, Miguel Salmon del Real, Gyudi Sándor, Juan Carlos Lomonaco e Gabriele Pezone.

Apresentou-se como solista no Auditório Municipal de Vila Nova de Gaia em 2016.
É licenciada em violoncelo barroco pelo Curso de Música Antiga da Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo do Porto, na classe do professor Fernando Santiago García. Nesta mesma instituição foi também aluna do professor Marco Ceccato. 
Encontra-se no primeiro ano de mestrado, em performance, em violoncelo barroco no Conservatoire Royal de Bruxelles (Bélgica), na classe do professor Hervé Douchy. 

Participou na 2.ª, 3.ª e 4.ª Academia Júnior de Música Barroca organizada pelo Curso de Música Antiga da ESMAE e no 13.º, 14.º e 15.º Curso Internacional de Música Antiga ESMAE/ESML, onde trabalhou com Stefano Veggetti, Marco Ceccato, Olivia Centurioni, Pedro Sousa Silva, Ana Mafalda Castro e Benjamin Chénier. Participou também na VIII edição dos CIMA realizados em Idanha a Nova, tendo trabalhado com Alejandro Marías, Lorenzo Colitto, Paul Esswood, Vinícius Perez e João Paulo Janeiro. Em 2018 participou num estágio sob direção de Ton Koopman e Peter de Groot, com um programa de duas cantatas de J.S. Bach, em Paris. Recentemente participou na Academia Ludovice Ensemble - Aveiro 2021, onde teve a oportunidade de trabalhar com Diana Vinagre, Fernando Miguel Jalôto, Marta Vicente, Orlanda Velez Isidro, Pieter Affourtit e Pedro Castro. Frequentou masterclasses com Jed Barahal, Filipe Quaresma, Ophélie Gaillard e Amandine Beyer. Trabalhou também com Laura Puerto Cantalejo, Nacho Rodríguez, Marisa Esparza, Jean-Denis Monory, Rafael Muñoz, Wilbert Hazelzet e Daniel Cuiller.
Apresentou-se a solo na 4.ª Academia Júnior de Música Antiga da ESMAE com o Concerto para violoncelo em Dó Maior RV398, de Antonio Vivaldi. Em orquestra e ensemble Renascentista já interpretou obras como D. Quixote, Tafelmusik, Overture in E minor, de G.P. Telemann, Misere ZWV 57, de J.D. Zelenka, L’Europe Galante, de Andre Campra, Missa Decantabat Populus, de Giovanni Croce, Ballo delle Ingrate e Combattimento de Tancredi e Clorinda, de Claudio Monteverdi, Magnificat, Quinti Toni e Missa Dicebat Jesus, de Duarte Lobo, Dido and Aeneas, de Henry Purcell, Messiah, de Georg Frideric Haendel.
Integra vários grupos dedicados à interpretação historicamente informada, tais como Gli Accenti, Cuore Armonico, La Voix de l’Âme (do qual é um dos membros fundadores) e Concerto Ibérico. Participa frequentemente em vários concertos, recitais e festivais em Portugal e Espanha, tanto em contexto de orquestra como música de câmara.